26
Jan

Coisista ou A cr么nica do Eu

Eu sou um 鈥渃oisista鈥. Passei, depois de tanta cobran莽a, a n茫o me considerar bom nas coisas que fa莽o. Em geral sou mesmo um bom 鈥渃oisista鈥 鈥 sujeitinho que tenta fazer de tudo. Muita gente est谩 no meu p茅 discutindo comigo essa quest茫o da humildade e da mod茅stia. Humildade 茅 uma coisa que eu posso at茅 ter, sabe, em uma zona morta do meu c茅rebro. J谩 mod茅stia n茫o, sinto muito, n茫o sou nada modesto, afinal nunca ganhei nada sendo assim e se perdi, foi algo que n茫o fez diferen莽a alguma em minha vida.

Acredito que n茫o saberia viver em um lugar parado, um lugar rotineiro, mon贸tono. Sou da cidade, sempre fui. Gosto de pr茅dios, carros, motos, polui莽茫o sonora. Sou citadino ao extremo. Gosto de sair da aula por volta das nove e uns quebrados da noite apenas pra sentir o vazio das ruas depois de um dia inteiro de funcionamento das lojas, das barracas, dos frigor铆ficos, das bancas de revista, dos col茅gios. Gosto de ouvir o aglomerado de sons diferentes que se passa no meio do tr芒nsito. Gosto de ir tomar caf茅 脿s pressas pra voltar 脿 aula e, se a vontade for maior do que a for莽a em minhas pernas, gosto de passar em um sebo de livros usados e sentir o cheiro da poeira e do 谩caro daquelas folhas que est茫o ali h谩 anos, mesmo que isso me custe uma semana ou duas com crise al茅rgica.

Eu me apaixono toda semana, mudo meu sobrenome todos os dias. Tenho um s茅rio problema de mem贸ria. 脡 muito comum, pelo menos no meu caso, acordar pela manh茫 e n茫o saber que dia 茅.

Desde quando passei a observar o que acontece ao meu redor, de perceber as situa莽玫es inusitadas do cotidiano, meus sentidos parecem mais agu莽ados. Consigo descrever o que vejo com muito mais facilidade. Posso colocar no papel acontecimentos em minha vida e transform谩-los em situa莽玫es universais, problemas que afetam todo e qualquer tipo de pessoa. A cidade parecer ter notado o meu avan莽o. Arriscando um tom po茅tico eu diria que a cidade parece corresponder ao que sinto. Nunca consegui explicar todas 脿s vezes que me pego com baixo-astral, com baixa auto-estima, ou at茅 mesmo infeliz e por coincid锚ncia est谩 chovendo. Ou quando recebo uma not铆cia boa, quando me alegro por um amigo que ligou pra dar um sinal de vida e l谩 est谩 o tempo limpo, perfeito, o c茅u, as nuvens, tudo em harmonia com meu corpo e com minha mente.

N茫o s茫o raras tamb茅m as vezes que as estrelas sumiram 脿 noite quando n茫o consegui me concentrar para escrever ou compor. Ultimamente tenho me encontrado em paz de esp铆rito (se 茅 que isso existe), tenho aproveitado os momentos bons e os momentos certos, mesmo que durem pouco. E voc锚s notaram aquele dia que fez um calor danado? S贸 pode ser esse sol, cada vez mais forte.

06.06.06

26
Jun

S茅rie 鈥淐r么nica Curta Cr么nica鈥: Preconceito


As luzes, nessa 茅poca do ano, costumam variar entre azul, amarelo, verde e vermelho. Os meninos? Esses s茫o muitos, em geral andam sempre acompanhados: m茫e, pai, irm茫o, irm茫, bab谩. Apenas aquele cujos olhos cruzaram os meus n茫o parecia ter acompanhante. Um negrinho desses que se encontra em sinais de tr芒nsito. Cal莽a um tanto desbotada, camisa e chinelos velhos. Devia ter seus dez ou onze anos de idade. Caminhava entre as pessoas como quem n茫o 茅 notado, mas n茫o totalmente. Eu o fitava.
Acredito que ele n茫o estava ali para pedir esmolas ou at茅 mesmo roubar; furtar um objeto qualquer de uma loja. Parecia assustado e, em outros momentos, deslumbrado, principalmente ap贸s ter encontrado o que, suponho, estava a procurar: cercado de v谩rias crian莽as, l谩 estava o Papai Noel do shopping. O negrinho permaneceu pelo menos dez minutos im贸vel.
O funcion谩rio vestido naquela roupa vermelha at茅 que sabia como tratar as crian莽as, uma vez que todas elas eram de classe m茅dia e alta. Por alguns instantes, outra pessoa notou a presen莽a do negrinho, o pr贸prio Papai Noel do shopping. Vi a dor nos olhos do velho que se compadeceu com o menino, fazendo-me sentir o mesmo. Por茅m o velho e eu 茅ramos incapazes de uma aproxima莽茫o direta do menino. Cada um impossibilitado pelo preconceito que criou.

p.s: sem tempo pra me dedicar e/ou escrever, grato!

 « Página anterior